Saúde: Fica a dica!

Ainda no Núcleo de Medicina do Viajante, falando com o Dr. Jesse, ele nos passou alguns cuidados que deveríamos ter com nossa saúde durante a viagem. Confesso que enquanto ele falava eu pensava: Perai… eu to indo viajar ou to indo para algum campo de batalha? Mas vou falar que vale muito a pena vocês marcarem uma consulta em um ambulatório do viajante porque caras te explicam direitinho tudo o que você pode fazer… Com vocês…

Dicas de Saúde (by Doctor Jesse)

humm parece nome de programa de televisão =)


NO AVIÃO
Voo longo vocês já sabem que o risco de trombose é grande. Ele também alertou que no caso de mulheres que tomam contraceptivos esse risco é maior ainda. Por isso o de sempre: Não ficar por horas parado sentado dormindo, sempre dar uma levantadinha, uma voltinha pelo avião… tentar sempre fazer alguns movimentos.

ÁGUA
Sempre dar prioridade para água mineral na garrafinha lacrada. Evitar gelo nas bebidas já que você não sabe de onde vem a água do gelo. Para evitar contaminação da água você pode ferve-la ou em casos muito extremos utilizar aquelas pastilhinhas de cloro ou iodo. Ele disse que iodo é melhor, daí só ler na embalagem a quantidade do produto para filtrar cada quantidade de água. Recomenda-se também dar preferência à água com gás.

COMIDA
Evitar comida crua, ou tudo o que não tenha sido cozido/fritado/assado… tudo o que não tenha sido submetido à altas temperaturas. Espetinho de escorpião frito pode? Pode! Saladinha de alface? Melhor pensar duas vezes. Como disse Dr. Jesse “Boil it, peel it, cook it, or forget it!”.

MOSQUITOS
Infelizmente não temos vacinas contra Malária ou Dengue. O que fazer? A melhor forma é se prevenir com repelentes, mosquiteiros e a roupa do corpo. Ele fez cara feia para os repelentes ordinários e nos recomendou o Exposis Extreme que parece que é mais eficaz e dura mais tempo – além de ser mais caro, óbvio (e ter cara de energético). Como não dá pra levar um estoque desses nem saber se vamos encontrá-lo por lá, ele disse que sempre devemos procurar por repelentes que contenham Icanidina ou com DEET maior que 30% (não faço ideia do que isso signifique mas estou confiante de que baterei os olhos na embalagem e encontrarei algo que remeta a isso rs…). Ah, e ele disse que esse negócio de tomar complexo B pra espantar mosquito é balela, hein!

Bem, se vocês tiverem mais algumas dicas vou ficar feliz em acrescentá-las a esse post 😉

Anúncios

Vou de vacina

– Alô?
– Bom dia… eu queria marcar uma consulta no Núcleo de Medicina do Viajante…
– É aqui mesmo. Você vai viajar para onde?
– Para a Ásia… Tailândia, Vietnã…
– Ih minha filha, vai ter q tomar um monte de vacina! Você vai quando?
– Em fevereiro do ano que vem…
– Nossa, você está de parabéns! O pessoal liga sempre aqui um dia antes de viajar! Olha, tá de parabéns mesmo!

Esse foi o diálogo que rolou com a fofa da Cida quando liguei para o Núcleo de Medicina do Viajante do Hospital Emílio Ribas (que fica em São Paulo), 7 meses antes da viagem. Além de ter ficado muito feliz  pelo fato de ter a minha antecedência e planejamento elogiados (rs…), abri esse texto sobre vacinas com esse diálogo para mostrar a importância de não deixar as vacinas para última hora. Como diria minha amiga Paty, “tem que ver issae!”.

Eu sou bem chata mesmo com esse negócio de planejar viagem porque não quero que dê merda depois… não estou falando de seguir um plano à risca, mas estou falando de certos cuidados que são essenciais e que não podem ficar em aberto, como as vacinas e o seguro de viagem por exemplo… ou será que uma xícara de porcelana chinesa não é uma lembrança muito mais agradável do que uma hepatite B, hein? (nossa, peguei pesado nessa! haha).

Sendo assim, eu e R. marcamos um horário e lá estávamos nós hoje de manhã. O médico (o nome dele era Jesse) foi super fofo, ficou uma meia hora explicando não só sobre as vacinas como também sobre outros cuidados que devemos ter para não ficarmos “fora de combate” – como disse ele, rs… Algumas das vacinas são oferecidas de graça pelo governo e nós tomamos lá mesmo, como a de tétano por exemplo. Outras infelizmente são só oferecidas por clínicas/hospitais/laboratórios privados como a vacina da raiva por exemplo. Pois é, tem que pagar. =/

Lembrando que para os países que vamos visitar é necessário apresentar o Certificado Internacional de Vacina de Febre Amarela. Sem isso ou você não entra no país ou vai ser extorquido para poder entrar. Para descolar esse Certificado Internacional você deve tomar a vacina da febre amarela e depois levar o comprovantezinho até um posto da ANVISA, é totalmente de graça. Saiba mais sobre o Certificado Internacional de Vacina de Febre Amarela aqui. Abaixo uma tabela com os países que exigem esse Certificado.

É importante também se ligar nas vacinas com antecedência, a de hepatite A/B por exemplo, você deve tomar uma dose, depois de 1 mês outra dose e depois de 6 meses mais uma dose.

Minha recomendação é que você vá até algum Centro de Medicina do Viajante e converse com o médico sobre sua rota, o tempo que vai ficar, assim ele pode te indicar direitinho as vacinas e as preucações que devem ser tomadas em cada lugar. Aqui estão alguns endereços úteis:

Núcleo de Medicina do Viajante do Hospital Emílio Ribas
Atendimento deve ser agendado através do (11) 3896-1366.
Avenida Dr. Arnaldo, 165 – São Paulo – SP.

Ambulatório do Viajante no Hospital das Clínicas
Telefone: (11) 3069-6392.
Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255 – São Paulo – SP

Cives (Centro de Informações em Saúde para Viajantes) do Hospital Universitário da UFRJ
Telefone (21) 2562-6213
Cidade Universitária, Ilha do Fundão – Rio de Janeiro – RJ

No site da ANVISA, você encontrará uma lista das unidades de vacinação da ANVISA em todos os Estados do país.

DICAS:

– A vacina de hepatite B pode ser tomada de graça nos postos de saúde do governo caso você tenha até 24 anos (ufa, meu caso, que sorte!). Parece que eles estenderam essa “promoção” até os 28 anos, mas quando fui no Instituto Pasteur – em São Paulo – eles não tinham informações sobre isso e só ofereciam de graça até os 24 anos, já o Hospital Emílio Ribas oferecia de graça até os 28 anos. A vacina de hepatite B é administrada em 3 doses dentro de um período de 6 meses, por isso você deve ver isso com bastante antecedência.

– A vacina de hepatite A é paga e deve ser tomada em clínicas particulares. Você pode optar por tomar a vacina que combina hepatite A+B, administrada em duas doses. Mas nesse caso você tem que pagar também por essa vacina combinada. Caso você tenha até 28 anos, compensa mais você tomar a vacina para hepatite B de graça nos postos de saúde pública (caso você tenha até 28 anos) e a A nas clínicas particulares, já que a dose combinada A+B é mais cara do que se você tomar apenas a A. Por exemplo, eu fiz uma consulta no Delboni Auriemo, a vacina que combinava A+B custava R$ 130 (cada dose) e a vacina para hepatite A custava R$ 94. Então vou tomar a B de graça e pagar pela A (2 doses, custando R$ 94 cada)