1 ano, 1 mês, 1 semana depois…

Esses dias me peguei lendo posts antigos do blog… coisas que sempre evitamos. Tenho na minha cabeça que não devemos ficar olhando para o passado – bom ou ruim – e sim se concentrar no presente. Fiquei com vontade então de escrever o famoso post “1 ano depois” – no caso 1 ano, 1 mês e 1 semana depois de ter voltado.

Depois que voltamos de viagem o Ro voltou para o antigo estúdio (cujas pessoas são extremamente queridas) e eu virei freelancer. 8 meses depois trocamos os papéis: eu comecei um trabalho fixo e ele virou freelancer. É engraçado, mas fui parar no Sindicato dos Bancários – como designer – e fiquei 4 meses lá até o telefone tocar: quer trabalhar na nossa editora? Quem me conhece bem sabe que meu sonho sempre foi ser designer editorial. Pela primeira vez na vida acordo sem reclamar porque sei que vou passar o dia fazendo alguma coisa que realmente gosto.

Faz um mês que estou lá. É uma editora de livros infantis e infanto-juvenis. Simplesmente juntou minha paixão por livros, design e ilustração. Sou responsável por criar os projetos gráficos dos livros, tem vezes que passo o dia inteiro lendo o texto para poder pensar no projeto, nos ilustradores que vou chamar… e isso é uma delícia! O ambiente é bem tranquilo, as pessoas são bem calmas e saio TODOS os dias no horário! (só quem é designer sabe o quanto é difícil achar um trabalho em que você não tenha que ficar quase todos os dias até tarde) =D

Estou me sentindo inspirada de novo, até voltei a desenhar nas últimas semanas. Chego em casa e quero pintar, ver documentários, ler… parece que com esse trabalho encontrei o caminho que tanto procurava. Tenho vontade de fazer minhas coisas de novo, de aprender e de melhorar na minha área.

O Rômolo também está levando a vida que sempre quis, pintando, fazendo as ilustrações dele… essa semana mesmo ele está pintando o Riviera Bar ali na Paulista com a Consolação, sabe? Quem estiver por aí passa lá na frente para conferir.

Essa viagem deixou marcas profundas na minha vida. Sou menos fresca, tento levar a vida da forma mais leve possível, sem acumular coisas… não trabalho para poder comprar uma TV bacana ou o telefone mais moderno… trabalho para poder levar uma vida sem preocupações e poder viajar quando eu quiser. Tenho um novo conceito de felicidade e esse novo conceito me diz que felicidade plena não existe, existem muitos momentos bons que formam algo perto da felicidade, e isso pode ser tomar banho num rio com um elefante ou simplesmente pendurar um poster novo na parede.

Tenho um novo conceito do medo e esse conceito me diz que medo é tudo aquilo que crio para me impedir de ser feliz quando eu quero. O Rômolo me disse que ouviu uma frase muito boa, que quando você viaja, você não cruza sua zona de conforto, na verdade você aumenta ela… Ir para o Vietnã me parece tão simples quanto ir para Ilhabela agora (guardadas as devidas proporções e gastos haha).

E agora… temos uma cachorrinha, a Bullying (que por sinal acabou de fazer coco na sala ¬¬)!

Conseguem encontrar a Bullying no meio da bagunça?
Conseguem encontrar a Bullying no meio da bagunça?

Depois que voltamos fizemos outras viagens curtas… fomos juntos pro Chile… passei 15 dias no Peru sem o Ro e o Ro 3 semanas na Europa sem mim… e as próximas?

Não sei… mas não estou ansiosa para saber, minha maior preocupação no momento é regar as plantas e não esquecer a raçãozinha da Bullying.

Simples assim.

Nos vemos… nas estradas do Laos ou nas calçadas esburacadas de São Paulo. =)

(o clip é uma merda, mas a letra é amável)