Um segundo em Hong Kong

O blog parou mas nós não paramos… devagar vou atualizando com as nossas últimas histórias passadas do outro lado do mundo. No momento estou postando de Bangkok, voltando para casa em 3 dias =) Prosseguindo…

A única palavra que vinha na minha cabeça pelos dias em que estivemos em Hong Kong era instigante, como diria nossa amiga Simone de Recife. Hong Kong é a cidade que eu escolheria para morar, Hong Kong é a nossa cara! A paixão acende-se de novo no meu coração.
Hong Kong parece que te empurra – um minuto em Nova York é um segundo em Hong Kong – nós lemos em uma placa. A cidade te estimula visualmente o tempo todo, tudo pode ser consumido a cada passo. Nós fizemos um teste de ver quanto tempo conseguíamos andar na rua sem comprar alguma coisa – seja um docinho ou um iPod – não conseguimos ficar mais de 1h sem pôr a mão no bolso.

Hong Kong deu uma renovada na viagem, como se tivéssemos acabado de começar tudo de novo, tudo mudou mais uma vez. É engraçado, mesmo os países do Sudeste Asiático tendo tantas diferenças entre si, não sentimos um choque ao mudar de um país para o outro, mas em Hong Kong recebemos uma chacoalhada. Já nos últimos dias no Vietnã eu mal tirava a câmera do bolso, em Hong Kong tudo voltou a ser novo e muito estimulante, meus pés não se cansavam de andar e com certeza eu poderia ficar nessa cidade umas 2 semanas (no mínimo!).

Após 7 dias em Hong Kong e mais 2 em Macau tivemos que tocar o barco e mergulhar de vez na China. Mas Hong Kong já não é China? Não. Hong Kong tem sua própria moeda, suas próprias regras, seu próprio visto e até sua própria bandeira. Tem aquela história: Hong Kong era colônia britânica e quando a Inglaterra devolveu Hong Kong à China em 1997 o trato era manter o mesmo sistema por 40 anos. A moeda é o dólar de Hong Kong.

A “cidade-país” é basicamente dividida em quatro partes: Ilha de Hong Kong, Kowloon, Novos Territórios e Ilhas. As principais atrações estão na Ilha de Hong Kong e Kowloon, mas alguns pontos como o famoso Buda Sentado se encontra na Ilha de Lantau.

Nem todo mundo fala inglês em Hong Kong, mas você ainda encontra muitos locais que falam. É receita de bolo perto do que tivemos que passar depois que entramos na China em si. As placas são todas em inglês, as sinalizações nas ruas são ótimas e tudo é muito intuitivo. Nunca tivemos que perguntar nada para ninguém para chegar a algum lugar, apenas seguíamos as placas. Obrigada amigos designers. Não posso deixar de comentar sem uma pontada de inveja que o transporte na cidade é um dos melhores que já vi até hoje. Tudo funciona e é barato. O tram, por exemplo, custa R$0,60 independentemente da distância a ser percorrida.

Hong Kong é cara? Com certeza é mais cara do que o Sudeste Asiático, mas para o amigo brasileiro os preços são em conta. Demos adeus às refeições de $2 e $3, em Hong Kong pagávamos entre $5 e $7. Bem, para quem mora em São Paulo ainda é bem barato, né? Vale lembrar que não comemos comida de rua, só comemos em restaurantezinhos, com certeza você acha valores mais baratos do que esses se pesquisar bem. Já uma singela curiosidade: nos restaurantes eles arremassam os pratos na sua mesa como se estivessem jogando lavagem para os porcos e isso vimos até em restaurantes caros.

Dormir em Hong Kong é o calcanhar de Aquiles do orçamento do bom mochileiro. Hotel por menos de $20? Vai sonhando. Até os quartos compartilhados custam cerca de $17. Chegamos na cidade às 23h de um vôo a partir de Hanoi e já salvamos alguns dólares dormindo no aeroporto, que de acordo com o site Sleeping Airports é o segundo melhor para dormir (rs…). No dia seguinte nos mudamos para o bem localizado Hong Kong Hostel onde pagamos cerca de $40 por um quarto de casal. E por fim, unindo o útil ao agradável, fizemos uso do Couch Surfing e fomos muito bem recebidos pela May e pelo Tim, ela da Malásia e ele da Inglaterra. Muito queridos! Lá ficamos enquanto nossas aventuras pela cidade decorriam. Uma coisa legal foi que fizemos uma moqueca de camarão para eles uma noite dessas, e só quem nos conhece sabe o quanto gostamos de cozinhar. Não tinha azeite de dendê, mas foi uma das melhores moquecas que já fizemos…ops, ainda não cheguei no Brasil e falar nisso me deu muita fome!

O que tem para fazer em Honk Kong? Museus, templos, caminhadas, parques, comer, tudo! Mas como o tempo não estava dos melhores e já estávamos cansados de templos e Budas, dedicamos dias e mais dias aos museus que são in-crí-veis e uma ótima maneira de se manter longe das compras. Se perder nas ruas já é um puta programa. A cidade é uma mistura de prédios altamente altos e modernos e prédios velhos e bagunçados que parecem aqueles do centro de São Paulo.
À noite todas as placas de neon se acendem e você mal percebe que a noite chegou, tudo fica iluminado pelos painéis brilhantes que exibem as últimas campanhas de moda. Subimos no Victoria Peak noite dessas de onde se tem uma vista estilo Uau.
O preço para se subir o morro de furnicular é HK$60 para o percuso de ida e volta. Em cima do Victoria Peak não há simplesmente um viewpoint como eu imaginava, mas sim um complexo de compras e restaurantes gigante! Tem desde os noodles em conta até restaurantes mais requintados. Gastamos um pouquinho mais (não quero lembrar quanto foi realmente esse “mais”)  e resolvemos jantar no Bubba Gump… é, aquele mesmo do Forrest Gump. No cardápio, camarão, claro! =)
Outro lugar para se admirar a noite de Hong Kong é na Stars Avenue. Todas as noites, às 20h inicia-se a famosa Sinfonia das Luzes, os prédios da ilha podem ser vistos de Kowloon numa coreografia de luzes e música bem desajeitada.

Cansou? Isso é só a ponta do iceberg. Me cortem antes que eu transforme esse blog em “Hong Kong de Mochila”!

Anúncios

5 respostas em “Um segundo em Hong Kong

  1. Olá Nã!!! Estou acompanhando o Blog de vocês e já estava sentindo falta dos posts!!! rs… Que viagem incrível! Bom retorno!!!

  2. Parabéns pelo Blog. Também estive na China ano passado e fiz um misto de viagem de negócios com turismo. Alem de conhecer Guanghozou, a negócios, conheci Pequim e Hong Kong. Nossa viagem foi fantástica e pretendo sim voltar um dia. Aprendi muito com uma cultura tao diferente da nossa!

    Fabiano de Almeida Maia.

  3. Ola, estou indo para Hong Kong em 2 semanas. Ainda não sei o que levar de $. levo dolar e troco lá ? as taxas de cambio sao boas lá ? ë facil de achar lojas de cambio ? obrigado e parabens pela viagem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s