Nossa rotina sem rotina

Ontem foi nosso quarto dia aqui e ainda estamos tentando nos acostumar com as coisas e tentando absorver toda a informação que recebemos o tempo todo… Ainda não consegui ter uma noite de sono 100% boa, meu relógio interno ainda está configurado no horário do Brasil… já o Rômolo… parece que sempre morou aqui, dorme a noite toda que é uma beleza haha…

Estamos num hotel, o que é bem diferente de um hostel… Aqui parece que as pessoas não estão tão afim de interagir… Mas como eram os primeiros dias resolvemos pegar um hotel bom para descansar bem enquanto nos acostumamos, ainda não tivemos conversas muito profundas com as pessoas, tivemos umas conversas rápidas na piscina com alguns israelenses e com o japones que dividimos o taxi no primeiro dia, mas acho que quando fomos para um hostel vai ser mais fácil conhecer mais gente.

As vezes tentamos conversar com os tailandeses, como os taxistas por exemplo… mas se com o pessoal da recepção do hostel já é difícil se comunicar em inglês, imagina com os outros… Só que eles são bem simpáticos, é um grande contraste comparando com a vez que estivemos em Praga haha!

As comidas aqui são maravilhosas. Sou apaixonada por comida e para mim isso é o paraíso… estamos gastando em média R$ 3,00 por refeição… Tirando o almoço do primeiro dia só comemos em barraquinhas de rua… Não conseguirei nunca descrever os sabores, a coisa mais próxima que posso chegar para expressar isso é dizer que parece que estou comendo música. Nem sempre sabemos o que estamos comendo, às vezes apontamos o prato para pedir. O almoço do Rômolo tinha umas coisas boiando que chutamos ser testículos e bucho de boi, estava sensacional!
Nossa rotina é não ter planos… Um dia antes pensamos em algo para fazer no dia seguinte… tomamos o café da manhã tranquilamente, vamos fazer o passeio, voltamos para o hotel, ficamos na piscina que tem no topo do prédio, o Romolo desenha, eu escrevo, à noite saímos para tomar uma breja… por enquanto tem sido assim, é totalmente diferente de viajar com férias contadas… Não temos pressa para nada, aquela correria de querer visitar mil lugares em um dia, podemos curtir tudo no nosso ritmo. Outra coisa muito legal aqui é assistir as novelas tailandesas que fazem as do SBT se tornarem super produções perto delas haha… não entendemos nada mas morremos de rir! É BIZARRO, muito toscas, parece até Hermes e Renato zoando. Mas não é. Também gosto de ver as propagandas daqui que às vezes lembram as propagandas japonesas… Vi bastante anúncio da Nivea e da L’oreal por exemplo, de cremes para clarear a pele! =0

Ontem foi o dia que menos gastamos. Na minha opinião, a pior coisa de se chegar num lugar que não se conhece é não ter noção dos preços… Agora começamos a sacar o preço das coisas, como barganhar e quando estão querendo nos passar para trás… Como por exemplo o taxista que queria cobrar 200 bahts para nos levar até o Chatuchak Market… fomos com outro taxista que ligou o taximetro e a corrida saiu por 90bahts, menos da metade do preço. Compras, tem que barganhar tudo, os caras já jogam o preço lá em cima porque sabem que você vai pedir desconto… Uma coisa que tem funcionado bem é dizer que somos do Brasil, não somos europeus e não ganhamos em euro haha! Acho que o gráfico dos nossos gastos só tende a cair com a malandragem que estamos adquirindo.

Aqui em Khaosan Road os vendedores abordam bastante os turistas, principalmente os indianos que perseguem o Rômolo o tempo todo tentando vender TERNOS para ele. Ternos, 35graus em Bangkok, pode isso? Fico pensando, gente, quem compra esses ternos aqui, como funciona esse mercado? Do jeito que vão as coisas não seria estranho o Rômolo chegar em São Paulo vestindo um terno haha.
Estamos indo embora de Bangkok hoje em direção às praias do sul. Apesar de saber que voltaremos para cá depois de viajar pelas praias, já sinto uma dorzinha no coração… Batemos demais com essa cidade, é a nossa cara! Tem tanta coisa para fazer aqui que acho que nem em um mês dá para ficar entediado.

Dizem que Bangkok é uma panela de pressão, um caldeirão de misturas… e é isso mesmo. Todas as pessoas que estão na rua, o calor, as comidas cheias de temperos, a língua cheia de entonações, os cheiros diferentes… Bangkok parece um prato de comida tailandês e é perfeitamente possível entender que é uma cidade para se amar ou para se odiar… sem meios termos!

___ Ilustrações desse post: Rômolo 😉
Anúncios

2 respostas em “Nossa rotina sem rotina

  1. Oi pessoal,estou acompanhando o blog de vcs desde que começaram o planejamento da viagem.Continuem postando e dando suas impressões sobre a “viagem”.Também estou planejando a viagem ao sudeste asiático,mas será em 2013,um sonho já começado a ser esboçado em 2011.Grandes relatos,ilustrações,aproveitem ai!!

  2. Olá que viagem!!
    Por favor escreva mais, estou adorando. Pretendemos fazer viagem semelhante no futuro.
    O Romolo é um artista!! adorei as ilustrações. Até achei que fossem de algum nativo.
    parabéns. E aproveitem muito, muito! bjos
    sueli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s